7 dicas incríveis para você não cair em tentação e comprar um carro por impulso

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Comprar um carro é sem dúvida uma decisão que dependendo do seu bolso pode causar um grande impacto nas suas finanças. Por isso, é importantíssimo tomar muito cuidado quando for comprar seu próximo carro, para não tomar um prejuízo e se arrepender depois.

Falamos rapidamente sobre a compra por impulso num outro post no dicascarrosusados.com com o tema: Antes de comprar um carro usado, fazer um test drive é obrigatório, descubra por quê! Onde citamos um exemplo de uma compra por empolgação que claro, não foi uma boa experiência.

Comprar por impulso é um grande risco, pois você acaba cometendo muitos erros que certamente irá lhe deixar muito infeliz, pois logo após a compra quando passar a empolgação possivelmente você perceberá que poderia ter comprado um carro mais bem conservado ou que melhor se encaixasse em seu perfil.

nao-compre-carro-por-impulso

Pensando nisso, resolvemos escrever 7 dicas que você deve seguir,  para não cair na tentação de comprar um carro por impulso.

1 – Faça um cálculo para saber quanto você pode gastar mensalmente.

O erro mais cometido pela maioria das pessoas é pensar apenas no valor das parcelas. Confesso que até eu já fiz isso quando comprei meu primeiro carro financiado.

É preciso calcular e incluir todos os outros gastos com o veículo, como IPVA, seguro obrigatório DPVAT, seguro particular do carro, combustível, revisões ou manutenções, e ainda é preciso contar com um dinheirinho extra para outros gastos eventuais. Isso é fundamental para você não cometer o erro de comprar um carro e depois não poder honrar as parcelas. Se comprar a vista ótimo, assim suas dividas mensais diminuirão significativamente.

Se for financiar por mais doloroso que seja, é necessário observar o Custo Efetivo Total (CET) que é o valor total do financiamento, incluindo todos os encargos (juros e impostos) das operações de crédito. Com esse valor em mãos, é possível que você mude de ideia e comece a pensar na hipótese de aguardar mais um tempo, juntar uma grana, para daí sim comprar seu carro à vista, livrando-se dos juros abusivos cobrados pelos bancos.

2 – Escolha qual carroceria melhor atende suas necessidades.

Ao invés de se preocupar somente com marca, design e preço, você deve pensar também em qual é o carro mais adequado para o seu dia a dia.

Para não errar na escolha, é preciso definir se o carro que pretende comprar vai ser usado para transporte de cargas ou pessoas, se o seu uso maior será na cidade ou na estrada, se será usado apenas por você ou também por sua família. Se você precisa de um bom volume no porta-malas ou se não pretende carregar muitas coisas no bagageiro.

Simples, mas ao definir essa questão antes de sair à procura do seu próximo carro é provável que não cometa um erro caro para consertar posteriormente, visto que para isso será preciso você trocar novamente de carro.

3 – Deixe de lado a empolgação.

Comprar um carro não é simples como comprar um par de sapatos, então é necessário ter sangue frio e agir com cautela.

Usar a razão é a forma mais inteligente para comprar um carro usado. Por mais apaixonado que você esteja por um modelo, é preciso ver todos os prós e contras que ele irá lhe proporcionar.

As promoções que as lojas oferecem, devem ser vistas com desconfiança. É necessário verificar se os brindes, como viagens, celulares ou garantia estendida não passam de pura enganação. Ou seja, é necessário ter certeza que os valores dos brindes não estejam inclusos no preço final do carro. E por mais que sejam brindes realmente, isso não deve influenciar na decisão de comprar um carro que não atenda suas necessidades pelo simples fato de estar em promoção, parece óbvio, mas já ouvi pessoas do meu circulo de amizades dizendo que comparam carros que não queriam, só pra “ganhar” uma viagem.

Descontos nas parcelas que lhe parecem imperdíveis podem lhe trazer complicações futuramente, se por algum motivo você tiver algum gasto extra. Nesse caso, se você puder esperar um pouco, seria mais prudente guardar dinheiro e comprar o carro a vista, assim não seria preciso pagar juros e ainda economizaria uma grana certamente bem maior do que a oferecida pelas parcelas reduzidas.

Para terminar essa seção, quero reforçar que a empolgação nunca poderá sobrepor à razão.

4 – Preste atenção aos pequenos detalhes.

Parece besteira, mas prestar atenção nos pequenos detalhes é fundamental. Por isso além de fazer um teste drive, verifique se o carro dispõe de todos os acessórios que necessita, e o mais importante, teste para ter certeza que todos eles funcionam.

Além disso, é necessário procurar por defeitos no estado geral do carro.

Normalmente quando compramos por impulso, enxergarmos os defeitos somente após alguns dias, pois, eu mesmo cometi alguns erros assim, até aprender a comprar racionalmente e não emocionalmente.

Numa dessas minhas compras movidas a emoção, depois de procurar por semanas achei o carro que eu desejava.

O carro (Santana Quantum 2000 GLS) tinha todos os acessórios que eu procurava menos o ar condicionado. Mas como o vendedor me ofereceu um belo desconto na compra à vista, resolvi deixar o refrigerador de ar para o próximo carro.

Como eu estava completamente apaixonado, me apressei em comprá-lo para não perder o negócio.

Quando eu fiz o motor funcionar, achei que tinha um barulho esquisito, incomum para o velho motor AP. Aliás, motor que eu conhecia muito bem, pois cresci vendo meu tio consertando esses motores, mas achei que não era nada muito grave e comprei o carro assim mesmo.

No percurso para casa, a luz indicadora do óleo do motor acendeu, e mal deu tempo de parar o carro no acostamento e o motor travou.

Liguei para o lojista e ele me enviou um guincho para eu devolver o carro, minha alegria durou pouco. Se eu tivesse levado o veículo num mecânico, possivelmente ele teria diagnosticado que o motor não estava bom, e assim eu teria certeza da minha desconfiança, pois eu já tinha ouvido ruídos metálicos vindo da parte superior do motor, que denunciavam falta de lubrificação, fato que ignorei.

Após alguns dias o veículo me foi devolvido, e quando cheguei a minha casa, percebi que alguns itens elétricos como farol, retrovisores e vidros traseiros não funcionavam. Se eu tivesse testado antes de comprar, teria pedido para o vendedor arrumar estes defeitos antes de me entregar o carro.

O maior problema, que não entendo até hoje como não percebi, foi o fato do carro não ter a tampa do porta-luvas. Não sei explicar, acho que fiquei sem enxergar por alguns instantes.

E o que eu fiz?

Nada, pois o vendedor me deixou a vontade para eu testar o carro, e eu comprei “ciente de tudo”. Diante disso só pude lamentar e mais nada.

Sinceramente fiquei envergonhado de voltar na loja e falar sobre isso, simplesmente não quis me incomodar mais com esse assunto e arquei sozinho com o prejuízo.

Se fosse hoje, eu voltaria na loja para reclamar, pois embora o estabelecimento seja obrigado a dar garantia apenas para motor e câmbio, nada me impediria de conversar com o vendedor para entrarmos num acordo.

Depois disso, em outros carros, na maioria das vezes que algum componente falhou dentro do período de garantia, voltei à loja e tive o conserto realizado sem ter que pagar por ele. Eu sempre tinha em mente que eu só poderia reclamar em casos de problemas com motor e câmbio, conforme diz a lei. Mas descobri que muitos lojistas por uma questão de bom senso, acabam cedendo e consertando o automóvel sem maiores complicações.

Não são todos lojistas que fazem isso numa boa, por isso é extremamente importante comprar em lojas com ótimas referências. Ainda assim prefiro comprar em concessionária, que é onde os problemas são resolvidos mais facilmente.

Demorei algum tempo até aprender a comprar um bom carro usado, e depois de tantos erros, aprendi bastante com as muitas experiências vividas e hoje ajudo muitos amigos fazerem bons negócios.

 5 – Não troque seu carro, caso paguem um valor muito baixo por ele.

De nada adiantará você ter encontrado o carro que quer, nas condições que deseja, com um nível excelente de conservação, ganhar brindes e quem sabe até um bom desconto no valor do seu próximo carro, se a avaliação do seu atual veículo, for muito inferior ao que você esperava.

Muitos são os motivos para pagarem pouco no seu carro, os mais comuns são quilometragem e conservação geral. O pior lugar para você vender, é sem dúvida nenhuma numa concessionária.

Para perder menos dinheiro na revenda o melhor negócio é  vender o seu carro para um particular ou lojista que normalmente pagam mais do que numa concessionária

Se o carro estiver muito feio, com problemas na pintura, por exemplo, mandar polir poderá fazer a diferença, não acho interessante repintar nada além de para choques e retrovisores, pois pintar a lataria, muitas vezes pode ter um efeito contrário ao que pretende.

Deixe-me ser mais claro. Os retrovisores, maçanetas e para choques são peças plásticas e não enfrentam problemas em ser pintados novamente, pois, o comprador não poderá pedir desconto justificando que essas peças foram repintadas.

O mesmo não acontece com a lataria, que muitas vezes conta ainda com pintura original, e ao tentar esconder alguns risquinhos, você opta em repintar. Dessa forma o comprador pode pedir desconto alegando que o carro foi batido.

Assim o seu propósito ganhar dinheiro, perde o sentido e você se obriga a diminuir o preço por não ter como provar ao comprador que o carro só foi repintado para esconder riscos.

Por isso, não acho que se deva fazer nada além de um polimento, pois normalmente não se ganha mais dinheiro reformando o carro, salvo se o interessado pelo seu carro, não entender nada sobre o assunto, neste caso sim, quanto mais bonito o carro parecer, melhor.

6 – Não compre o carro no mesmo dia.

Por melhor que lhe pareça a negociação, vá pra casa, pense calcule e recalcule os valores, e verifique se estão dentro do orçamento.

Procure outros carros em outras lojas e veja se consegue algo melhor.

Só depois de pesquisar bastante, e estar seguro de que a compra não irá estourar seu orçamento, volte e refaça a inspeção para ter certeza sobre o real estado geral de conservação do veículo. Muitas vezes o amor a primeira vista acaba nos cegando, e com mais cautela no dia seguinte é possível descobrirmos defeitos no carro que não havíamos encontrado na primeira inspeção.

7 – Mantenha-se calmo.

Comprar um carro usado, não é uma tarefa fácil, além de tempo e disposição precisamos de uma boa dose de paciência para procurar vários modelos do carro escolhido até achar um bem conservado e com bom preço.

Não se envergonhe por ficar muito tempo verificando o carro, inspecione o tempo que achar necessário.

Não se apresse nas negociações, mantenha-se sempre calmo e esteja ciente de que não precisa comprar o primeiro carro que inspecionar. Procure outros carros, outras lojas, anote tudo para não esquecer e compare o estado de conservação de todos, assim como preços e brindes se for o caso.

Leve os carros que mais gostou num mecânico e num funileiro, e antes de fechar negócio procure por serviços de uma empresa especializada em inspeções veiculares e perícias, que são serviços cobrados, mas tenha certeza que o investimento vale a pena, pois irá te livrar de muitas chateações futuras.

Conclusão:

Possivelmente se você seguir nossas dicas, não comprará um carro por impulso, e isso é muito bom, pois aumentarão as suas chances de comprar um carro excelente em todos os aspectos.

Errei muito no passado, é isso que me inspira hoje escrever para ajudar você leitor, a não passar pelas mesmas chateações e incômodos que tive que passar. Mas a experiência vivida após inúmeras compras (troquei de carro muitas vezes, desde os meus 18 anos de idade) me ensinou a comprar racionalmente, o que é algo muito mais inteligente do que optar por uma compra usando apenas a emoção.

Demorei aprender que carros são bens duráveis e devem ser encarados assim, pelo menos no momento da compra. Depois sim, ele pode ser visto como um membro da família, e é assim que vejo meus carros, e sei que muitas pessoas tem a mesma visão que eu em relação aos seus. Na verdade não há como ter um sentimento diferente, já que o povo brasileiro é apaixonado por carros.

Tenho o desejo de fazer algo em breve muito melhor e mais completo, com o intuito de ajudar vocês leitores, na árdua missão que é comprar um bom carro usado.

Boa sorte e boa compra!

  • Essa dica, de não comprar o carro no mesmo dia, é a melhor, eu já fiz isso e acabei perdendo dinheiro…

  • Pingback: ()

  • Raul

    Olá,

    Muito boas as suas dicas, mas fiquei em dúvida numa questão: estou escolhendo o primeiro carro e como tenho pouquíssima experiência em identificar eventuais problemas, tenho medo de comprar algo achando que é um bom negócio e ter problemas depois.

    Achei bem interessante essa ideia de submeter o carro a uma perícia especializada antes da compra, mas como funciona esse processo? Alguém da empresa vai até a loja?

    Parabéns pelo post, bastante esclarecedor.