Nissan Sentra básico 0 KM vs Nissan Sentra SL Xtronic completo usado – Um guia para você decidir sua compra

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Hoje ao acordar, como de hábito fui procurar notícias sobre o mundo automobilístico. Entre os vários artigos que li, uma propaganda duma concessionária de SP me chamou a atenção, pois está vendendo o Nissan Sentra 0 km por R$ 45 mil.

Isso me fez pensar vale mais a pena optar pelo 2012/2013 0 km básico como o da promoção, ou compensaria comprar um usado 2011 SL Xtronic completo?

Resolvi escrever sobre o tema, e aproveitarei para postar no aqui no  dicas carros usados como informativo para os leitores que pensam em adquirir um Sentra ou apenas se interessam pelo assunto.

Artigo relacionado:

Com o mesmo estilo comportado desde 2007 quando foi lançado, o Sentra mudou apenas a grande frontal, o desenho dos para-choques e os faróis na linha 2010 e segue assim desde então. Particularmente acho o conjunto ainda bem agradável. Mas como seu visual conservador nunca agradou muito aos consumidores, suas vendas sempre foram tímidas.

Felizmente seu fim está próximo e este é o motivo para as reduções nos preços dos modelos 0 km.

Nissan Sentra cambio automatico

O modelo top do Nissan Sentra, o SL com câmbio automático CVT

Agora falarei um pouco sobre o modelo top, o SL com câmbio automático CVT, que já dirigi algumas vezes e por isso posso dar algumas opiniões pessoais.

O espaço interno é bom, acomoda bem quatro adultos e uma criança, visto que o conforto do banco traseiro é prejudicado pelo ressalto do túnel central e pelo descansa braços que atrapalha o encosto de quem senta no meio.

nissan-sentra-flex-2011

O porta-malas acomoda bons 442 litros, e ainda conta com dois interessantes acessórios: uma rede de contenção e uma tampa que divide o espaço interno. Essa tampa cria um compartimento isolado e pode ser aberta sem perder o volume. Esse acessório é interessante quando se pensa em levar poucas coisas no bagageiro, como por exemplo, as compras de mercado da semana, isso impede que elas corram para o fundo o compartimento do porta-malas facilitando a retirada dos objetos.

O acabamento tem bons materiais e arremates, porém a versão topo de linha deveria ser mais requintada.

A segurança está em dia com Abs nos freios e air bags frontais, laterais e de cortina, mas peca pela falta de apoio de cabeça e cintos de segurança de três pontos para o passageiro central do banco traseiro. Existem cortes de custo que não consigo entender, o carro teria nota 10 se não fosse esse descaso da Nissan conosco.

Outra mancada é o fato das travas elétricas não abrirem, nem ao colocar a alavanca para posição P, como acontece no Honda City, nem ao desligar o motor e o pior, nem mesmo puxando as maçanetas internas. Para destravar as portas é necessário fazer isso manualmente puxando a trava, ou apertando o botão de acionamento central, em caso de emergência isso complica muito a saída do interior do veículo.

Um detalhe que gosto muito no carro é o fato dele contar com um sistema que permite abrir o carro e acionar o motor sem tirar a chave do bolso, o sistema foi batizado pela Nissan como I-Key.

Resumindo, é só estar com a chave perto do carro e tudo funciona, sistema parecido com o usado no Renault Fluence.

O motor flex de 1997 cm³ possui a mesma potência de 142 cavalos tanto na gasolina como no álcool, levando o sedan a uma velocidade máxima de 188 km/h.

nissan-sentra -0 km

O desempenho do carro é muito bom, em harmonia com a boa posição de dirigir, com o conforto dos bancos revestidos em couro e com a direção que conta com assistência elétrica variável que a deixa leve e bastante precisa.

O veículo se movimenta com facilidade e a condução é bem agradável. Fruto do bom casamento motor e câmbio. Aliás, o câmbio que equipa o Sentra é o CVT, (o mesmo utilizado no Renault Fluence) aquele de variação contínua, que não rouba potência como os automáticos convencionais.

nissan-sentra-zero-km-basico

Nesse tipo de câmbio as marchas não são definidas, a relação da transmissão varia de maneira contínua. Isso se traduz em suavidade nas “trocas”. O câmbio CVT é formado basicamente por duas polias que mudam de tamanho, ligadas em uma correia. Seu nome CVT é uma sigla da expressão em inglês: Continuously Variable Transmission, traduzindo: Câmbio Continuamente Variável.

No link abaixo falo resumidamente sobre esse tipo de câmbio:

Como esse câmbio não rouba potência do motor, o que se espera é um menor consumo, e é exatamente o que acontece com o Sentra, confira os resultados:

Etanol

  • Cidade: 8,1 km/l
  • Estrada: 11,8 km/l

Gasolina

  • Cidade: 12,2 km/l
  • Estrada: 17,7 km/l

Números surpreendentemente bons, o problema é que não tenho nenhum carro desse modelo para testar e ver os números apresentados pelo computador de bordo.

Para não ficar sem nenhuma informação sobre consumo, coloquei aqui os números apresentados pelo fabricante, que sabemos que sempre são médias muito otimistas e que não servem de certa forma como base para o real consumo apresentado no dia a dia, se bem que o consumo realmente altera bastante de condutor para condutor.

O ponto fraco do carro está na visibilidade, como a traseira é alta, ao manobrar o carro como em balizas, por exemplo, é muito difícil mensurar a distância do carro de trás. Ainda bem que os carros a partir da linha 2011 contam com câmera de ré, facilitando as manobras.

O sistema de som com tela de lcd que mostra imagens da câmera de ré, é um toque de tecnologia e bom gosto.

A suspensão mais firme contribui para a uma boa estabilidade, e apesar disso ao trafegar em pisos irregulares o nível de ruídos internos é aceitável. E se você estiver pensando que com a suspensão firme o conforto foi diminuído por isso, está enganado, pois a engenharia da Nissan conseguiu de alguma forma privilegiar o conforto e a segurança nesse quesito.

Acho injusto quando ouço ou leio pessoas comparando valores de manutenção de um Sentra, com a de um Gol quadrado por exemplo. Claro que dessa forma os preços cobrados para a manutenção do Sentra lhe parecerá algo fora do normal.

Agora quando se compara valores pedidos pela manutenção do Nissan aos carros da mesma categoria, percebe-se que o preço cobrado está na mesma faixa dos seus rivais.

Pontos fortes:

  • Posição de dirigir;

  • Conforto;

  • Preço.

Pontos fracos:

  • Travas elétricas não abrem as portas ao se desligar o veículo;

  • Falta ar condicionado digital;

  • Falta do apoio e cinto de segurança de três pontos no meio do banco traseiro.

O novo Sentra está chegando e dessa vez como um modelo de alto luxo. Maior e melhor acabado está com visual moderno e muito mais atraente, virá equipado possivelmente com o mesmo motor e câmbio do atual.

Com um visual agressivo acompanhado de faróis de Led que dão um ar de modernidade, tem tudo para agradar. Certamente fará bastante barulho no mercado. Com suas qualidades, é possível que as vendas mudem completamente em relação ao modelo atual, que sempre vendeu pouco desde o seu lançamento.

Isso se deve ao seu visual não ser muito atraente para os brasileiros, o que fez com que o carro não emplacasse mesmo cheio de mimos, claro que o alto preço também influenciou para que os carros encalhassem nas concessionárias e nos pátios dos portos aguardando alguém que os levasse para sua garagem.

O modelo 0 km de entrada é sim uma ótima opção, ainda mais quando se pensa que com o valor pedido por ele agora, compram-se apenas sedans compactos derivados de populares. Vale o investimento, se você é daqueles que não se importa em comprar um modelo prestes a sair de linha e pretende ficar com o carro por muitos anos.

O Sentra 0 km de entrada, vem bem equipado, com conjunto elétrico, computador de bordo, ar condicionado, direção elétrica, air bag e abs, mas não conta com vários equipamentos presentes na versão topo a SL que usei como outra opção de compra, neste caso se tratando de carro usado.

Pesquisei num site especializado em venda de carros usados aqui da região Sul do país, e descobri que é possível comprar com os mesmos R$ 45 mil pedidos pelo 0 km, um Nissan Sentra SL top de linha, ano 2011, recheado de equipamentos, até mesmo com teto solar.

Assim, acho que optar pelo carro usado me parece mais vantajoso. Senti falta apenas do ar condicionado digital e do sensor de chuva, que se o equipassem deixá-lo-iam ainda bem mais interessante.

Como sempre digo, antes de decidir pela compra melhor andar com os dois carros, para poder comparar o que um e outro lhe oferecem e pesar até onde essa diferença entre acessórios é importante para você.

Se você não abre mão de ser o primeiro dono do carro, comprar o 0 km neste valor é bem interessante e pode ser vantajoso. Embora o mercado esteja cheio de novidades no mundo dos sedans compactos que podem ser comprados com R$ 45 mil, lembro que o Nissan é de um nível superior e além de ter um acabamento mais refinado conta com um motor 2.0, que é o sonho de muita gente.

Em minha opinião, as duas opções são consideradas excelentes aquisições. Particularmente como prefiro o conforto do câmbio automático e gosto muito dos modelos top, neste caso compraria com certeza o modelo usado, tanto que eu encontrasse um carro usado em excelente estado de conservação com todas as revisões feitas em concessionárias.

Boa sorte e boa compra!